{% set baseFontFamily = "Open Sans" %} /* Add the font family you wish to use. You may need to import it above. */

{% set headerFontFamily = "Open Sans" %} /* This affects only headers on the site. Add the font family you wish to use. You may need to import it above. */

{% set textColor = "#565656" %} /* This sets the universal color of dark text on the site */

{% set pageCenter = "1100px" %} /* This sets the width of the website */

{% set headerType = "fixed" %} /* To make this a fixed header, change the value to "fixed" - otherwise, set it to "static" */

{% set lightGreyColor = "#f7f7f7" %} /* This affects all grey background sections */

{% set baseFontWeight = "normal" %} /* More than likely, you will use one of these values (higher = bolder): 300, 400, 700, 900 */

{% set headerFontWeight = "normal" %} /* For Headers; More than likely, you will use one of these values (higher = bolder): 300, 400, 700, 900 */

{% set buttonRadius = '40px' %} /* "0" for square edges, "10px" for rounded edges, "40px" for pill shape; This will change all buttons */

After you have updated your stylesheet, make sure you turn this module off

    Sete passos para sair das Dívidas por Ana Paula Hornos

    by Gloria Maciel on Outubro 14, 2016

    Existem muitas razões para se estar endividado. As dívidas podem ter sido originadas por descontrole nas finanças, para alimentar desejos de consumo ou estilo de vida, dívidas de negócio ou projetos, dívidas por investimentos mal feitos, aposta ou jogo ou até mesmo por emprestar o nome a alguém. 

    shutterstock_110695409.jpg

    Os últimos anos no Brasil, foram marcados por excesso de crédito e juros altos. Sabe-se que é muito fácil contrair uma dívida: ao usar um cartão de crédito ou simplesmente ao clicar em um site de banco na internet, a pessoa já se vê endividada. Mas como sair delas?

    • O primeiro passo é o mais importante deles: Tome a Decisão!

    Tomar a decisão de sair das dívidas passa por entender quais foram os reais motivos que te levaram a contraí-la. Muitas vezes os motivos vão além das circunstâncias em si e possuem forte componente emocional.

    A decisão de contrair dívida pode ter sido movida por excesso de confiança, por ilusão, por subestimar o presente e superestimar o futuro, por alguma compulsão ou vício. Qualquer que seja o gatilho ou comportamento negativo, reconhecê-lo é um passo importante.

    Tomar a decisão incluem dois reconhecimentos fundamentais: reconhecer o que motiva a fazer dívidas e reconhecer que viver em dívidas traz perdas e prejuízos em sua vida. Muitas vezes, as pessoas passam anos rolando dívidas, sem se dar conta ou reconhecerem o quanto estão perdendo por viverem assim.

    • O segundo passo: Faça o levantamento detalhado.

    Listar todas as dívidas, instituições, bancos, fornecedores, lojas, pessoas, das quais contraiu dívidas exige dedicação. É comum perder o controle de todos os lugares aonde se contraiu dívida e o tipo de dívida contraída. Esse levantamento inclui saber as regras de cada contrato, taxa de juros reais embutidas, multas, juros acumulados no decorrer do período. Faça um levantamento real, preciso e completo. Se a dívida diz respeito à uma família ou sociedade é muito importante que todos estejam envolvidos no levantamento com muita transparência e empenho.

    • Terceiro passo: Faça uma linha de Corte do Dia D!

    O Dia D é o dia em você vai decidir viver sem dívidas!

    Trace uma linha de corte entre o passado com dívidas a partir do levantamento feito, e um presente e futuro sem dívidas. Ou seja, você irá trabalhar um plano de pagamento das dívidas anteriores a esse dia, mas não irá contrair novas dívidas a partir desta data!

    A linha de corte significa ter uma foto congelada do endividamento passado para isolar a foto do meu filme futuro que irá rodas no positivo.  Isso passa por um trabalho técnico de planejamento financeiro, mas passa principalmente por decisão e atitude.

    • Quarto Passo: Busque ajuda!

    Todo esse processo tem etapas complexas que podem ser vencidas com sucesso se houver auxílio profissional.

    Auxílio técnico para montar o plano de pagamento, pensar alternativas; auxilio emocional e de estímulo para enfrentar as barreiras e perseguir com determinação as metas traçadas; auxilio na negociação e mediação de conflitos com instituições e às vezes com a própria família e sócios.

    É bem mais fácil percorrer este caminho com um suporte profissional.

    • Quinto passo: Monte o Plano de Pagamento e Estratégia de Negociação.

    Nesta etapa é preciso fazer um levantamento de todo o patrimônio que você possui. Nesta hora será necessário vencer a barreira da aversão à perda. Desfazer-se de um bem, de um imóvel, de um veículo, de um equipamento, nem sempre é fácil. Mas se você seguiu o primeiro passo com determinação e tomou mesmo a decisão de viver sem dívidas, verá que valerá a pena a libertação desta situação.

    Muitas vezes os bens têm também valor sentimental e pode ser difícil enxergar que desfazer-se dele, abrirá um caminho melhor e mais tranquilo para consegui-lo novamente, aos poucos, futuramente.

    Os juros altos da dívida, com o passar do tempo, vão de qualquer forma consumir todo o patrimônio, tirando qualquer poder de reação. A melhor decisão é estancar o problema rapidamente, para sair da situação. Além disso, é também hora de fazer contas. Monte simulações com alongamento da dívida (pagar a dívida em um prazo maior que o contratado) e/ou com taxas mais baixas.

    A intenção aqui é montar uma proposta de plano de pagamento das suas dívidas junto às instituições. Ter uma proposta pensada anteriormente, facilita a negociação. E quando for negociar, somente feche uma negociação que caiba em seu orçamento mensal, e que seja factível cumprir. Trocar dívidas existentes por dívidas mais baratas, pode também ser uma boa solução.

    Clique aqui para baixar nossa  Planilha de Controle de Gastos! ;)

    • Sexto Passo: Hora da Negociação.

    O segredo aqui é a paciência e coragem para seguir a estratégia montada.

    Apesar das dívidas normalmente serem de fato compromissos assumidos por contrato, as instituições via de regra estão abertas a negociações, pelo risco de não receber. Este é um momento tenso, de muita pressão, uma vez que os juros crescentes, o nome negativado, as cobranças, pressionam demasiadamente.

    É preciso ter muita calma e fechar apenas propostas factíveis de pagamento dentro do orçamento e do plano montado.

    • Sétimo Passo: Seja determinado em cumprir com o plano de pagamento das dívidas e celebre ao final!

    Esta etapa exigirá muita determinação, coragem e paciência. Será uma etapa repetitiva, mês a mês, de pagar as prestações assumidas, que pode durar alguns meses ou anos.

    Mantenha-se firme e determinado no compromisso assumido no primeiro passo de sair das dívidas. Valerá a pena! Você sairá fortalecido! E ao termino do período, celebre a vitória alcançada! Este será o início de uma nova etapa vida! Sairá da ponta de ser devedor para tornar-se um investidor!

     

     

    ana_paula_hornos.jpg

    Ana Paula Hornos é educadora financeira, coach, mediadora de conflitos, palestrante e autora da coleção Educação Financeira e Valores (FTD) e do livro Crise Financeira na Floresta.

    Com mais de 20 anos de experiência, dedica-se ao trabalho com famílias, empresários e executivos na construção de uma vida financeira saudável e de sucesso.

    Top 5 Posts

    Posts Recentes