{% set baseFontFamily = "Open Sans" %} /* Add the font family you wish to use. You may need to import it above. */

{% set headerFontFamily = "Open Sans" %} /* This affects only headers on the site. Add the font family you wish to use. You may need to import it above. */

{% set textColor = "#565656" %} /* This sets the universal color of dark text on the site */

{% set pageCenter = "1200px" %} /* This sets the width of the website */

{% set headerType = "fixed" %} /* To make this a fixed header, change the value to "fixed" - otherwise, set it to "static" */

{% set lightGreyColor = "#f7f7f7" %} /* This affects all grey background sections */

{% set baseFontWeight = "normal" %} /* More than likely, you will use one of these values (higher = bolder): 300, 400, 700, 900 */

{% set headerFontWeight = "normal" %} /* For Headers; More than likely, you will use one of these values (higher = bolder): 300, 400, 700, 900 */

{% set buttonRadius = '40px' %} /* "0" for square edges, "10px" for rounded edges, "40px" for pill shape; This will change all buttons */

After you have updated your stylesheet, make sure you turn this module off

    4 grandes respostas para entender as eleições americanas

    by Rico Matinal | 26 de Agosto, 2020

    rico matinal-4

    Resumo do dia: Acionado o 'mood' cautela

    (por Paula Zogbi)

    Bolsas têm movimentos mistos nesta manhã de quarta-feira, com investidores mais cautelosos depois das altas no início da semana.

    Nos EUA, futuros do Dow Jones caem 0,16%, Nasdaq sobe 0,31% e S&P está basicamente no zero a zero. O Stoxx 600 na Europa sobe 0,29%, com aumento dos estímulos econômicos na Alemanha. 

    Investidores aguardam o discurso do presidente do Federal Reserve (banco central americano), Jerome Powell, no simpósio econômico Jackson Hole amanhã. A autoridade monetária deve revelar seus próximos passos e intenções com relação à inflação.

    Cenário brasileiro 

    No Brasil, o Ibovespa fechou em queda ontem em meio a notícias de divergências entre o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, e à queda na cotação do minério de ferro na China. O real voltou a se valorizar contra o dólar após dados melhores que o esperado nas contas externas brasileiras (superávit de US$ 1,63 bi). 

    Como antecipamos ontem, foi adiada a apresentação do megapacote de medidas sociais e econômicas e o Big Bang Day deve acontecer depois que Bolsonaro e Guedes entrarem em acordo sobre o abono salarial e o valor do Renda Brasil. Apenas a reformulação do Minha Casa Minha vida para Casa Verde-Amarela foi apresentada, em cerimônia sem a participação do chefe da Economia. 

    Insight Rico: 4 grandes respostas para entender as eleições americanas

    (por Betina Roxo) 

     As eleições na maior economia do mundo estão chegando e são muito importantes, já que as decisões tomadas na Casa Branca afetam os mercados internacionais e, consequentemente, o mercado brasileiro.

    Vale ter em mente que, no curto-prazo, as tensões elevadas na política doméstica americana e incertezas devem manter a volatilidade dos mercados alta.

    Além disso, considerando que diferentes partidos assumem posturas variadas na política externa, é relevante monitorar os riscos que eles apresentam. Por exemplo, o aumento das tensões globais tende a gerar uma aversão a risco, o que não é positivo para mercados emergentes. Portanto, se um candidato é propenso a este tipo de linha, existe um risco a ser contemplado.

    Tensões com a China

    Realmente, as tensões entre Washington e Pequim têm abalado os mercados nos últimos meses. Por outro lado, vale ressaltar que pesquisas mostram que o eleitorado americano tem uma visão cada vez mais negativa da China, o que aumenta a disposição dos candidatos de adotar um discurso firme contra Pequim.

    Então, a primeira pergunta que não quer calar: como a dinâmica EUA-China poderia mudar dependendo do resultado das eleições?

    Na verdade, essa visão cada vez mais negativa da China não é apenas observada entre eleitores republicanos, mas também democratas. Portanto, caso eleito, Biden teria pouco incentivo para relaxar totalmente as tensões com a China ou remover tarifas.

    No entanto, o candidato afirma que procuraria atuar de forma coordenada com aliados. E, dado seu histórico, é provável que siga uma abordagem mais institucional, o que geraria menos ruídos.

    Quatro perguntas sobre Eleições Americanas

    Apesar de todas as análises para diferentes cenários, viveremos essa incerteza e expectativa até meados-final de novembro. Por isso, selecionamos abaixo as "quatro grandes perguntas” sobre Eleições Americanas, para a Sol Azcune, analista de política internacional da XP Investimentos responder!

    Ah, e acompanhe neste link o mercado de apostas eleitorais, que é uma das variáveis observadas por analistas por registrar oscilações na opinião pública de forma mais rápida que as pesquisas.

    1. Quem é o candidato preferido do mercado?

    Os candidatos à presidência dos Estados Unidos dos principais partidos do país são Donald Trump (Republicano) e Joe Biden (Democrata). No entanto, até o começo do ano ainda não era claro quem seria o candidato democrata, já que outros líderes, como os senadores Elizabeth Warren e Bernie Sanders, da ala progressista do partido, tiveram bom desempenho nas primárias.

    O risco representado por esses líderes para o mercado era significativo, já que suas propostas eram consideras radicais e tinham custos muito elevados.

    Joe Biden, que foi vice-presidente de Barack Obama, é considerado um candidato de centro e moderado. Para alguns investidores americanos, Biden seria a melhor escolha para presidente, já que sua abordagem mais institucional da política geraria menos ruídos que a linha adotada pelo atual líder do país.

    Porém, outros preferem a continuação do governo Trump, já que Biden propõe o aumento de impostos corporativos cortados pelo atual presidente, o que afetaria diversas empresas listadas na bolsa americana.

    2. Como funciona o sistema eleitoral americano? E por que isso importa?

    Ao contrário do Brasil, onde a totalidade dos votos dos cidadãos é somada e o candidato com maior número de votos vence a eleição, nos Estados Unidos o voto da população não é creditado diretamente a um candidato, mas para representantes estaduais. Cada ente federativo tem um peso diferente no colégio eleitoral.

    No total, são 538 votos – são precisos 270 para vencer a eleição. Sendo assim, o candidato pode perder a votação popular, mas vencer a eleição, como foi o caso para Donald Trump em 2016.

    Vale destacar também que as votações nos estados não funcionam de forma proporcional, mas absoluta. Ou seja, se na Califórnia 30% do eleitorado votar por Trump, e 70% por Biden, 100% dos votos do estado (55) irão para Biden. Maine e Nebraska são a exceção a essa regra.

    Ainda, vale ressaltar que a maioria dos estados são fiéis a um partido, por exemplo o Alaska vota consistentemente pelo partido Republicano, enquanto Califórnia vota consistentemente pelo Democrata.

    Entretanto, há um grupo de estados, conhecidos como “swing states”, que tendem a mudar de preferência política com maior frequência. A definição desses estados é uma questão que gera debate e varia de uma eleição para outra, porém, de forma ampla, podemos afirmar que Arizona, Florida, Iowa, Michigan, Carolina do Norte, Ohio, Pensilvânia e Wisconsin são considerados “swing” nesta eleição. Eles são a chave da eleição e o “campo de batalha” para as campanhas presidenciais até novembro.

    3. Como está o cenário político hoje?

    Atualmente, Joe Biden lidera as pesquisas nacionais por aproximadamente 8 pontos percentuais e lidera também as pesquisas nos estados ‘swing’ mencionados anteriormente. No início do ano, Donald Trump era o favorito, mas a dinâmica eleitoral foi alterada por três fatores: a evolução do coronavírus no país, seus efeitos econômicos e os protestos contra o racismo e abusos praticados por policiais.

    Em todos esses aspectos, espera-se que haja estabilidade ou melhora até a eleição. Também, Trump deve mobilizar recursos e sua base de apoio nas redes para reconquistar espaço; portanto, o cenário em novembro deve ser mais acirrado que o atual. No entanto, 80 dias parece pouco tempo para que a reação do presidente americano seja capaz de tirar Biden da posição de favorito.

    4. Quais são os principais riscos a serem monitorados?

    Além da disputa presidencial, é relevante para o mercado acompanhar a disputa pelo Congresso. Hoje as pesquisas apontam a um cenário em que os democratas obteriam controle tanto do Senado, quanto da Câmara dos Representantes, o que facilitaria a implementação das políticas democratas mais arrojadas.

    No entanto, acreditamos que, com o acirramento da disputa até novembro, um arrebatamento democrata do Senado parece menos crível do que uma vitória de Biden. Com a disputa presidencial se acirrando, a posição dos republicanos pode melhorar no congresso.

    Agenda da Semana

    Quarta-feira, 26

    09h00: EUA - Pedidos de bens duráveis (julho)

    22:30: China - lucros industriais

    Quinta-feira, 27

    Dia todo: Simpósio de Jackson Hole (com discurso de Jerome Powell)

    09h30: EUA - PIB anualizado a.t. (ant. 0,9%)

    09h30: EUA - Novos pedidos de auxílio-desemprego

    Sexta-feira, 28

    06h00: Europa - Confiança na economia, industrial, serviços e consumidor

    08h00: Brasil - IGPM

    09h00: Brasil - Pnad (desemprego nacional)

    09h30: Brasil -Nota de crédito do BC

    09h30: EUA - estoque de varejo (a.m.)

    11h00: EUA - confiança do consumidor

    Brasil - resultado primário do governo central

    Topics: Rico Matinal