{% set baseFontFamily = "Open Sans" %} /* Add the font family you wish to use. You may need to import it above. */

{% set headerFontFamily = "Open Sans" %} /* This affects only headers on the site. Add the font family you wish to use. You may need to import it above. */

{% set textColor = "#565656" %} /* This sets the universal color of dark text on the site */

{% set pageCenter = "1200px" %} /* This sets the width of the website */

{% set headerType = "fixed" %} /* To make this a fixed header, change the value to "fixed" - otherwise, set it to "static" */

{% set lightGreyColor = "#f7f7f7" %} /* This affects all grey background sections */

{% set baseFontWeight = "normal" %} /* More than likely, you will use one of these values (higher = bolder): 300, 400, 700, 900 */

{% set headerFontWeight = "normal" %} /* For Headers; More than likely, you will use one of these values (higher = bolder): 300, 400, 700, 900 */

{% set buttonRadius = '40px' %} /* "0" for square edges, "10px" for rounded edges, "40px" for pill shape; This will change all buttons */

After you have updated your stylesheet, make sure you turn this module off

    Ibovespa perto das máximas históricas! Será mesmo?

    by Rico Matinal | 15 de Dezembro, 2020

    Confira o Rico Matinal de hoje - 15/12/2020

    RicoMatinal_03

    Insight Rico: Ibovespa perto das máximas históricas! Será mesmo?

    (por Paula Zogbi) 

    No início do ano, quando o Ibovespa chegou perto dos 120 mil pontos, as manchetes nos jornais repetiam, com entusiasmo:

    Manchete do InfoMoney: Ibovespa renova máxima histórica

    manchete na Forbes: Ibovespa crava nova máxima histórica

    Afinal de contas, aquele era o número mais alto que já havia aparecido na tela do home broker, etão essa deve ser a máxima histórica, certo? E se estamos novamente perto desse número, estamos próximos de atingir, de novo, a máxima histórica, não? Bom, em partes.

    Fato é que a máxima nominal do Ibovespa de fato aconteceu nos primeiros dias desse ano tão conturbado, mas existem formas de ver esses números com maior precisão: 1. corrigindo pela inflação e 2. olhando os números “dolarizados” (convertendo a pontuação do índice a dólar americano) e aplicando, ao mesmo tempo, as inflações brasileira e americana ao cálculo — ou seja, usando o câmbio real efetivo.

    Vamos à primeira maneira, mais fácil de compreender.

    Na semana passada, a Betina explicou neste mesmo Rico Matinal o que é inflação (o Voldemort da economia) e quais os efeitos dos aumentos dos preços na sua vida. Pois bem, a ideia aqui é simples: considerando que a inflação existe e impacta a economia como um todo, nada mais justo do que corrigir os movimentos da bolsa por um índice inflacionário. É o famoso “não vamos comparar laranjas com bananas” que 95% dos professores de matemática já disseram em suas aulas.

    Recentemente, o InfoMoney publicou um estudo com a Economatica fazendo justamente isso. No gráfico abaixo, os movimentos do Ibovespa são ajustados pelo IGP-DI, que durante muitos anos representou a inflação oficial do país (papel que o IPCA cumpre hoje).

    Ibovespa corrigido pelo IGP-DI

    Como podemos ver, com essa correção aplicada, a máxima histórica da bolsa brasileira corresponde a não 120 mil, mas o equivalente a 165.586 pontos, em maio de 2008, logo após recebermos o selo de grau de investimentos pela primeira vez pela agência de classificação Standard & Poor’s — e um pouco antes da crise das hipotecas subprime.

    Mas quem leva os dados econômicos ainda mais a sério tende a ver problemas até mesmo nessa correção apenas pela inflação. Isso porque, para o restante do mundo, o Ibovespa em reais não significa muita coisa (e vale lembrar que boa parte do volume negociado na bolsa brasileira vem, justamente, dos gringos).

    No gráfico abaixo, de autoria do economista da XP Vitor Vidal, a conta é feita usando o câmbio real efetivo, ou seja, considerando a inflação brasileira e a americana e 'traduzindo' o nosso índice em dólares. E a máxima histórica não é em 2020, tampouco em 2008, mas sim em 8 de abril de 2011.

    ibov-dolar-efetivo

    Caros 13 leitores, vocês se lembram dessa época? Foi um pouco depois de o Cristo Redentor fazer isso:

    Capa da The Economist em 2011 com o Cristo Redentor decolando

    Logo depois de o PIB brasileiro fazer isso:

    Manchete: Em 2010, PIB varia 7,5% e fica em R$ 3,675 trilhões

    Faz sentido, né?

    Com tudo isso posto, fica mais fácil entender que, sim, a bolsa brasileira ainda tem para onde subir em 2021. Como já dissemos antes, com juros baixos, recuperação da economia (mais cedo ou mais tarde), um enorme potencial de dinheiro saindo da renda fixa (e da poupança) e agenda de reformas, nossa visão segue otimista com a bolsa para o ano que está para começar.

    Resumo do dia: Novos estímulos e alta de casos de coronavírus

    (por Júlia Aquino)

    Mercados globais amanhecem em leve alta nesta terça-feira reagindo a novos estímulos econômicos, com futuros do S&P subindo 0,62% e Stoxx 600 subindo 0,20%. Aumento de casos de Covid-19 e o anúncio de novas restrições no fim de ano equilibram o otimismo com a recuperação econômica impulsionada pela vacina em 2021. 

    Nos EUA, o número de mortes pelo coronavírus passou ontem a marca de 300 mil, mesmo dia em que a vacina da Pfizer-BioNTech começou a ser aplicada no país. O crescimento do número de casos vem acelerando, ameaçando restrições mais severas. O prefeito de NY se pronunciou ontem dizendo que a população da cidade deve se preparar para um confinamento rígido caso a curva de infecções continue subindo.

    Londres anunciou ontem medidas restritivas para conter avanço de infecções, e espera-se que outros países europeus, como França e Itália, também imponham novas restrições durante a temporada de fim de ano na tentativa de diminuir o número de casos de Covid-19.

    Do lado dos estímulos fiscais, um grupo bipartidário de senadores apresentou no Congresso americano um novo pacote de estímulo à economia de US$ 748 bilhões, em última tentativa de aprovar um projeto antes do recesso parlamentar.

    Também nos EUA, a vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais foi confirmada ontem após a votação do colégio eleitoral. No lado da disputa pela maioria no Senado, a votação antecipada começou na segunda-feira (14) na Geórgia, onde duas corridas devem definir qual partido, Democrata ou Republicano, vai ter controle da Câmara Alta.

    O Ibovespa fechou em queda de 0,45% ontem, aos 114.611 pontos, após chegar a zerar as perdas do ano durante o dia. A maior pressão veio de Vale e siderúrgicas após queda de 3,21% nos contratos futuros do minério de ferro. 

    Agenda da Semana

    Terça-feira, 15

    08h00: Brasil - Ata do Copom
    11h15: EUA - Produção industrial a.m. nov (exp: 0,3%; ant.: 1,1%)

    Quarta-feira, 16

    06h00: Europa - PMI Composto dez (exp.: 44,70; ant.: 45,30)

    07h00: Europa - Balança Comercial out (exp: 7,0%; ant.: 6,9%)

    11h45: EUA - PMI Composto dez (ant.: 58,60)

    16h00: EUA - Decisão taxa FOMC (exp.: máx. 0,3%, mín.0%; ant.: máx. 0,3%, mín. 0%)

    Quinta-feira, 17

    07h00: Europa - Índice de preços ao consumidor (CPI) a.m. nov (exp.: -0,3%; ant.: -0,3%)
    08h00: Brasil - Relatório trimestral de inflação
    10h30: EUA - Novos pedidos de seguro desemprego (ant.: 853 mil)

    Sexta-feira, 18

    06h00: Europa - Conta Corrente BCE out

    Topics: Rico Matinal