{% set baseFontFamily = "Open Sans" %} /* Add the font family you wish to use. You may need to import it above. */

{% set headerFontFamily = "Open Sans" %} /* This affects only headers on the site. Add the font family you wish to use. You may need to import it above. */

{% set textColor = "#565656" %} /* This sets the universal color of dark text on the site */

{% set pageCenter = "1200px" %} /* This sets the width of the website */

{% set headerType = "fixed" %} /* To make this a fixed header, change the value to "fixed" - otherwise, set it to "static" */

{% set lightGreyColor = "#f7f7f7" %} /* This affects all grey background sections */

{% set baseFontWeight = "normal" %} /* More than likely, you will use one of these values (higher = bolder): 300, 400, 700, 900 */

{% set headerFontWeight = "normal" %} /* For Headers; More than likely, you will use one of these values (higher = bolder): 300, 400, 700, 900 */

{% set buttonRadius = '40px' %} /* "0" for square edges, "10px" for rounded edges, "40px" for pill shape; This will change all buttons */

After you have updated your stylesheet, make sure you turn this module off

    Bolsa e dólar podem andar juntos? Com o fim do carry trade essa combinação é possível

    by Thiago Salomão e Matheus Soares | 18 de outubro, 2019

    dolar-futuro-introducao

    Historicamente, bolsa e dólar têm comportamentos opostos (quando um sobe, o outro cai, e vice versa). O motivo é pela percepção de risco: se estamos mais otimistas, tomamos mais risco e compramos ativos mais arriscados (como ações), ao passo que abrimos mão de ativos mais defensivos (como o dólar).

    Há também o adicional de fluxo: quando o Brasil vai ‘bombar’, bolsa sobe e muitos estrangeiros entram no país para se aproveitar disso - e quando há mais dólares no Brasil, a moeda americana se desvaloriza em relação a nossa.

    Mas por ora essa “regra” que nunca chegou a ser perfeita, tende a ser ainda menos efetiva. E a explicação para isso é o fim do carry trade.

    Explicamos:

    Carry trade seria a combinação entre fazer uma posição vendida em moeda com taxa de juros mais baixa e outra comprada em moeda com juro mais alto.

    Além da diferença entre os juros, o investidor também lucra com a variação cambial. Se não houver tanta diferença entre as taxas, a operação fica menos rentável.

    Na prática:

    O Brasil, que sempre teve um juro muito alto, sempre foi um país para gringo fazer carry trade e ganhar com essa gorda diferença. Hoje, essa verdade não é mais verdadeira.

    Pouco tempo atrás, a Selic estava em 14,25% e o juro americano mais perto de 0%. Hoje, estamos com a taxa em 5,5% e lá fora a taxa está em 1,75%/ 2,0%. Nem precisa de calculadora pra ver que a gordura diminuiu muito.

    O que mudaria essa tendência?

    Se o estrangeiro começar a ver o Brasil não mais como um “país de carry trade”, mas como um país de investimento de longo prazo. Em breve, teremos leilões de infraestrutura, privatizações e cessão onerosa. Serão ótimos instrumentos para medir o quanto eles confiam no Brasil para um casamento duradouro - ou se continuaremos sendo apenas um amor de carnaval.

    Esse foi um trecho do Rico Matinal do dia 16/10/2019. O Rico Matinal é um relatório diário escrito pelos analistas da Rico Thiago Salomão e Matheus Soares e disponível a todos os nossos clientes.

    Abrir-Conta-Rico-Investimentos

    Topics: Rico Matinal

    Top 5 Posts

    Posts Recentes