Blog da Rico

PJ ou CLT: qual compensa mais para sua carreira?

Posted by Rico.com.vc on 10/jan/2014 17:48:00

 

Quem está prestes a se formar na faculdade tem que lidar com milhares de dúvidas e anseios sobre a carreira diante da concorrência acirrada do mercado de trabalho. Em meio a elas, há um dilema que pode parecer corriqueiro para algumas pessoas mas ao mesmo tempo fazer uma baita diferença para outras. Trata-se da escolha pela modalidade de contratação trabalhista mais vantajosa - CLT (Consolidação da Leis do Trabalho) ou PJ (Pessoa Jurídica). 

freelancer pessoa juridica pj freela  

A seguir vamos explicar as diferenças entre um e outro pra você saber qual é a mais indicado para seu perfil profissional.  

 

Contratação CLT x Contrato PJ  

Trabalhar como PJ é comum para profissionais de Comunicação (ex: Publicidade, Jornalismo, Design), bem como das áreas de Tecnologia da Informação, Arquitetura e Contabilidade. 

A burocracia e os impostos de uma empresa na contratação de um funcionário chegam a custar o dobro de seu salário, pois a modalidade CLT concede vários benefícios ao funcionário como vale-refeição, vale-alimentação, vale-tranposrte, licença maternidade e paternidade, décimo terceiro, férias remuneradas, aviso prévio, FGTS e outros, dependendo da empresa. Assim, as empresas costumam oferecer um salário mais baixo ao funcionário CLT em relação a um profissional freelancer ou PJ, que podem embolsar até 45% a mais no fim do mês.  

Ao optar pelo contrato de PJ, o profissional tem mais autonomia para trabalhar quando, como e onde quiser, bem como de aceitar ou não os trabalhos solicitados e prestar serviços para várias pessoas ou empresas ao mesmo tempo.

O 'porém' desta rotina é que o profissional deve arcar com todas as despesas como alimentação, transporte, plano de saúde, conta de luz etc, embora muitos esqueçam de considerá-las como custo de trabalho. Além do mais, o profissional deve ser habilidoso e possuir um bom networking pra vender o seu peixe pelo melhor custo/benefício. Explica-se: é comum que os autônomos façam uma espécie de 'leilão' de seu trabalho, barateando a mão de obra pelo desespero de fechar contrato. Esse tipo de situação acaba prejudicando tanto o contratante (na medida em que pode se deparar com um mal serviço) quanto o contratado, que pode oferecer um serviço muito bom a uma remuneração muito aquém da merecida.

Muitas vezes, o profissional entra em uma dada empresa como PJ já visando uma efetivação para a modalidade CLT, uma vez que ela costuma "testar" a expertise do contratado antes de formalizar um contrato de trabalho convencional. Portanto, o principal motivo de fuga dos trabalhadores do CLT é a entrave para conseguir uma colocação no mercado de trabalho brasileiro, concorrido por sua natureza.

Outro ponto a desejar para o PJ é a falta de estabilidade financeira, em uma rotina em que um mês pode entrar dinheiro e no outro não; por não poder contar com o FGTS, o PJ deve organizar muito bem as suas finanças para não passar aperto caso o serviço seja cancelado de uma hora pra outra. Por isso é importante ter um controle das finanças pessoais e saber dosar bem o dinheiro que entra e o que sai. Além disso, é importante negociar bem os projetos, orçamentos, prazos de entrega e forma de trabalho. Tendo isso, formalize tudo por escrito e assinado por ambas as partes.

O PJ precisa contratar um contador todo mês para o pagamento de impostos e INSS (o equivalente a aproximadamente 20% do valor acordado na contratação). Isso mesmo, apesar de não poder contar com os direitos e benefícios dos profissionais registrados via CLT, o PJ também deve destinar parte de sua receita ao governo. 

Em suma, as vantagens do CLT são os benefícios que circundam o salário e uma maior garantia sobre o futuro financeiro e plano de carreira. No caso do PJ, o grande benefício fica por conta do controle maior sobre a rotina de trabalho. E você, já fez a sua escolha?


Topics: Finanças Pessoais